sábado, 27 de junho de 2009

AI QUE VIDA!!!!!!!!!!!!!!!!!!



Para poetisa piauiense Ana Patrícia Rameiro.


Não sei dizer se estou apaixonado. Confesso que nem procuro mais perder meu tempo divagando sobre turbilhões de emoções ocultas e intangíveis, tampouco ando debruçado em questões vãs e estéreis como a definição de sentimentos ou a equação dialética do amor. Definir significa limitar, dividir. Ela me soma, me expande, me preenche. Só sei dizer que aquela ânsia angustiante que me tomava, com ela, se esvaiu; que o peso das horas insones não me causa mais medo e dor; que o coração agora de tão tranqüilo esqueceu-se de pulsar dentro do peito como d'antes: locomotiva frenética, palpitante, descompassada. Para onde escoaram as ásperas e preciosas doses de veneno destiladas de um mosto de tantas mágoas? Há mágica tão poderosa capaz de sossegar a aflição das almas inquietas como a mágica sutil dos dedos de sua mão procurando os meus? Ah! Só mesmo os raios do Corisco para calcinar as armaduras e couraças forjadas por mim a ferro e a fogo.

Primeiro de Março: é dos pântanos putrefatos que nasce a flor mais sagrada e bela. E se ainda vez por outra me perco olhando pra trás, faço apenas para constatar a superficialidade pueril das pessoas, esmagadas diante de sua simplicidade. Sei também que quando me dou conta, entre um cigarro e outro, já estou, piegas, arranjando-lhe apelidos carinhosos no diminutivo ou formulando frases tolas que lhe mando pelo celular, tal qual um adolescente embevecido. Quando ela se vai, deixando minha cama vazia, me dói, mas é dor calma, sossegada, dor boa. Agora, as noites dos bares deram lugar a pizzas e fanta laranja. A Caio Fernando Abreu, Glauber Rocha e Thiago de Mello. Meus finais-de-tarde de Junho repousam estirando sua lassidão em redes tépidas e ociosas com ela enlaçada a mim, lânguida feito um bicho-preguiça. Por que as palavras soam com tanta poesia no seu sotaque? Por que as sílabas dançam com mais acento, cadência e ritmo em sua boca? Por que o mundo fica mais terno e acolhedor entre suas pernas? Desconfio que só se possa poetizar em piauiês.




15 comentários:

  1. Eu roubei tempo, porque eu fiquei curiosa. E eu me senti bem, como nas horas que nossas mãos se encontram e teus olhinhos verdes brilham. Mas não sei o que dizer. Eu nunca sei. Ai que vida gostosa, meu bem! E que coisa doce a gente encontrar alguém assim "no meio de tanta tralha desimportante". Esse Junho foi de encanto. Obrigada! Gosto demais de ti! Beijocas, minha cigarraaa!

    ResponderExcluir
  2. ps - preguiça, fanta laranja, pizza, filmes e livros, engordam .... bora correr!!! (rsrsrsrs!)
    .
    Te adoro!

    ResponderExcluir
  3. Ela mandou eu ver,mas nem desconfiava que fosse tão bonito assim.O sentimento de vocês deve mesmo ter essa energia bonita.Eu também sou apaixonada por ela e sei do que você está falando!Somos amigas.Um beijo e parabéns pelo texto e por ter nas mãos um coração tão bonito como o da nossa poetisa. (Marina)

    ResponderExcluir
  4. ah!obrigado Marina. Não sei se vc é do Piauí também, mas essa garota ja conquistou muita gente por aqui. Ela é chata, tudo bem.........mas a gente gosta dela mesmo assim,eheheehehhehhe

    ResponderExcluir
  5. Ai que linda! Viva aos poetas e seus amores.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  6. Se já não a amasse, com certeza suas palavras me fariam sentir tal abstrata concretude.
    Daqui também ela se foi, não sei se deixando a mesma dor que lhe consome, mas também é boa... os ótimos e péssimos momentos que passamos juntas, que agora só chamamos de saudades...

    À propósito, li seus outros textos...

    ResponderExcluir
  7. o oxímoro... claro!
    nem tinha me tocado, mas ele parte fundamental para que esses meus curtos e desvairados pensamentos tomem forma, ao pular dessa minha inteligível cabecinha até ao fundo do meu singelo blog.
    e aí? gostou?
    me manda teu e-mail.
    ah! postei uma coisa lá "da janela lateral".
    fui!

    ResponderExcluir
  8. Só o Cajuzinho ali pra sintetizar a beleza de tudo isso que li =)

    ResponderExcluir
  9. Belo texto! Você escreve muito bem!
    Reflexão doce e profunda, aguda e apaixonada.
    Se um texto fosse comparado a um pentagrama em que se escrevem notas musicais, você teria utilizado duas oitavas acima, duas oitavas abaixo.
    Voltarei mais vezes aqui.

    ResponderExcluir
  10. Lindo texto dedicado à mais doce das poetisas.
    Amei!
    Já o acompanhava antes. Anonimamente.
    Mas, essa crônica romântica e cotidianamente bela não me permite calar.
    Abraços! E aproveitem. Isso vale a pena.
    :D

    ResponderExcluir
  11. Elogios por elogios não querem dizer la muita coisa. É a tua tia que diz o quanto vc ta bonito ou o amigo que leu teu texto. Poxa, gente, fiquei até lisonjeado com os comentários que tenho recebido de vcs, blogueiros. Entrei no blog de cada um e vi que só tem fera. Eu sou "café com leite", "arremedo de cronista". Muito do prazer de falar vem da certeza de que se é ouvido,neste caso, lido.

    ResponderExcluir
  12. Só posso dizer: 'Uau!'
    Lindo mesmo essa verdade amigo.

    ResponderExcluir

Quer comentar? A discussão está aberta à liberdade total e irrestrita.