quarta-feira, 19 de março de 2014

A volta dos Milicas: saída pela direita ou pela esquerda?





Sergio Buarque chamava o brasileiro de homem cordial, eu, por outro lado, prefiro chamar de "menino do buchão". Criança tola, maniqueísta, dada aos extremos. É uma Seleção que dá show de bola, ou apática, assiste a um Zidane ganhar a Copa dando um baile. Criança criativa, inteligente, mas emocionalmente instável pedindo seu marshmallow ao “tio” impacientemente. 

Neste sentido quando vê a esquerda engendrando sua teia ideológica e direcionando o Pais para a "ditadura do proletariado" ( objetivo institucional de qualquer partido que se diz socialista) , perde a fleuma e tem um “piti”. Ato contínuo, busca apoio em seu antagonista lógico: a extrema direta. Surgem assim skinheads exibindo suas tatuagens de suásticas; bufões bolsanaristas; novos capitães nascimento bradando suas teses sanguinárias sobre bandido morto, Âncoras de jornal convocando beatas para sua marcha e os eternos saudosistas da ditadura militar. "Ah na época dos militares em que a direita governava o Pais isso não acontecia" afirma a velha senhora. Daí me vem a pergunta “e quem foi que disse que os militares que assumiram o poder no golpe de 64 eram, de fato, de direita?”. Vamos lá, qual foi o político “de direita” que os milicas entronaram no poder assim que assumiram? Nenhum, ora. Militar não é de esquerda ou de direita, militar é militar. Só se você entender “direita” como tudo aquilo que combate a “esquerda”. Nem me venha argumentar também que é de direita pois foram financiados pelo USA, ora, até Bin Laden foi.

Outro ponto que me parece interessante é a associação feita hoje entre nacional-socialismo e a direita, quando o próprio Fuher em várias ocasiões assumiu que desenvolveu o nazismo tendo como ponto de partida as idéias de Marx e Lênin. De qualquer maneira pouco importa se ditadura de direita ou de esquerda, toda ditadura é tão parecida. Pergunte as centenas de milhões executados por Che, Lênin, Stalin, Mao, e outros companheiros se lhes dá algum alento saber que morreram por uma "causa maior"? Será que morrer no Riocentro ou Guararapes tem tanta diferença assim?

De mais a mais, os contornos que separavam ambos os lados não parecem mais tão sólidos como outrora, afinal,  o que é ser de direita ou de esquerda hoje? Será que esta discussão ainda passa pelo maior ou menor grau de intervenção na economia, ou assumidamente está mais relacionado a questão dos valores? 

Se você ainda crê que a questão da direita e esquerda tem a ver com o binômio intervencionismo- liberalismo vai ter que me explicar porque o General Geisel, por exemplo, foi um dos maiores criadores de estatais e defensor da intervenção na economia e é chamado de direita.; Vai ter que me explicar porque o sucesso econômico do governo petista no Brasil se deveu a praticamente repetir a estratégia neoliberal de seu antecessor, FHC; Vai ter que me explicar como a China comunista empresta dinheiro a juros pro Tio Sam.


Se por outro lado disser que ser de esquerda significa buscar reformas sociais; ser a favor da defesa das minorias e das liberdades individuais, vai começar a se dar conta que tem muita gente de “esquerda” que nada tem de “esquerda” e muita gente “de direita” que nada tem “de direita” e ai a discussão, sem muito sucesso, volta de onde partiu.


Mais prático parece ser o critério criado pelos próprios militantes de esquerda e difundido aos quatro canto nas redes sociais como técnica digna de Goebbels. Direita, é tudo aquilo que está entre a esquerda e o Poder, única meta que lhes restou depois do fiasco dos regimes comunistas espalhados pelo mundo.  Nas eleições presidenciais brasileira, por exemplo, Dilma, candidata a reeleição é "de esquerda", todo o resto : Marina, Aécio, e Joaquim Barbosa, que sequer tem partido ou é candidato, são todos “de direita". Resumindo, direita é tudo aquilo que enche o saco da esquerda, porque se tem uma coisa que os camaradas odeiam é ser contrariados, afinal, democracia é aquela coisa pequeno burguesa criada pelas elites gregas.

4 comentários:

  1. Adorei o texto, sólido.

    Verdade é que ultimamente tem sido muito fácil ser de esquerda, ou muito difícil a depender do ponto de vista. Particularmente ando esgotada no que diz respeito a todas estas coisas, as pessoas e seus discursos maçantes onde o PT é a origem do mal, bem como a xirizade é a nova voz do povo. Não é, tudo muito chato, ando fugindo de tudo, com um pouco de medo, mas ando. Acho que prefiro manter a inércia da vida a ter que me movimentar em algum momento dela, não quero que a desordem retorne, não enquanto meu espírito estiver por aqui, porque eu sei que vou ter preguiça.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Reparei que em produção estamos no mesmo nível heim? Média de uma postagem por ano.
    Como assim?

    Retornemos enfim? Já fomos bom?

    Beijos
    :**

    ResponderExcluir
  3. Pronto, ja visitei todos os blogs que eu estive ausente e retorno aqui para aclamar sua volta, volta?

    Se tu voltar, eu volto. Não que faça muita diferença né? Mas eu preciso de uma desculpa.

    :)

    ResponderExcluir

Quer comentar? A discussão está aberta à liberdade total e irrestrita.